Açúcar deve ser evitado até os 2 anos de idade

“Comer comer, comer comer, é o melhor para poder crescer” – quem aí se lembra dessa música (Comer, Comer), um hit que ilustra com bom humor a importância da alimentação diversificada para as crianças.

Na prática, sabemos que na rotina atarefada – compromissos pessoais, profissionais e sociais – deixam pouco tempo para preparar e/ou oferecer toda vez um banquete saudável aos pequenos e, às vezes, nos rendemos aos “lanchinhos” não tão saudáveis assim para matar a fome das crianças. Até aí tudo bem, afinal, somos seres humanos e não super heróis.

O ponto é quando um temido vilão invade a vida das crianças, o açúcar.

“O grande vilão da alimentação infantil é, sem dúvida, o açúcar, principalmente aquele contido nos alimentos industrializados, ultraprocessados”, explica Camila Freitas, nutricionista responsável pelo cardápio equilibrado da Bosque das Letras.

Os alimentos doces ultraprocessados, como balas, pirulitos, biscoitos recheados, entre outras guloseimas são: “de fácil aceitação pelas crianças, por isso não devem ser oferecidos antes do segundo ano de vida e, após essa idade, com moderação e atenção. O excesso de açúcar, além de prejudicar a saúde da criança, traz consequências para o futuro e altera completamente o paladar infantil’, acrescenta Camila que alerta que nesta fase da primeira infância, todo cuidado é pouco na alimentação.

“A criança que come muito açúcar tem mais dificuldade de aceitar sabores menos marcantes como das frutas, legumes e verduras”, aponta Freitas.

Por isso ter equilíbrio é essencial e sempre que possível ofereça uma opção saudável diante de um mundo onde as crianças são expostas somente a guloseimas em qualquer comemoração.

Se sujar faz bem

Parafraseando uma propaganda de um sabão de roupa que fez campanha que é saudável uma criança se sujar, nós afirmamos: hora de comer também é diversão!

“A hora de comer é o momento de exploração dos alimentos, hora de usar todos os sentidos para que o alimento se torne familiar e prazeroso. Para os pequenos o processo de aprendizagem para aquisição de autonomia durante a refeição passa pelo tato e a roupa suja e a comida no chão fazem parte desse lindo momento de identificação de sabores, aromas e texturas, base para uma verdadeira educação alimentar”, completa Camila.

Agora, se você não sabe direito qual caminho seguir, destacamos a Pirâmide Alimentar Infantil e os Dez Passos para uma Alimentação Saudável do Guia alimentar para crianças recomendado pelo Ministério da Saúde,  Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS); vejamos:

PASSO 1 – Dar somente leite materno até os seis meses, sem oferecer água, chás ou qualquer outro alimento.

PASSO 2 – A partir dos seis meses, oferecer de forma lenta e gradual outros alimentos, mantendo o leite materno até os dois anos de idade ou mais.

PASSO 3 – A partir dos seis meses, dar alimentos complementares (cereais, tubérculos, carnes, frutas e legumes) três vezes ao dia se a criança receber leite materno e cinco vezes ao dia se estiver desmamada.

PASSO 4 – A alimentação complementar deve ser oferecida sem rigidez de horários, respeitando-se sempre a vontade da criança.

PASSO 5 – A alimentação complementar deve ser espessa desde o início e oferecida de colher; começar com consistência pastosa (papas/purês), e gradativamente aumentar a sua consistência até chegar à alimentação da família.

PASSO 6 – Oferecer à criança diferentes alimentos ao dia. Uma alimentação variada é uma alimentação colorida.

PASSO 7 – Estimular o consumo diário de frutas, verduras e legumes nas refeições.

PASSO 8 – Evitar açúcar, café, enlatados, frituras, refrigerantes, balas, salgadinhos e outras guloseimas nos primeiros anos de vida. Usar sal com moderação.

PASSO 9 – Cuidar da higiene no preparo e manuseio dos alimentos; garantir o seu armazenamento e conservação adequados.

PASSO 10 – Estimular a criança doente e convalescente a se alimentar, oferecendo sua alimentação habitual e seus alimentos preferidos, respeitando a sua aceitação.

Gostou?

Quer saber mais sobre alimentação infantil, então acesse os outros conteúdos:

Escola e a Alimentação

A Bosque das Letras oferece todas as refeições (lanche, almoço e jantar) preparadas pelas cozinheiras da própria escola. O projeto “Além do Nutrir” oferta um cardápio nutritivo, rico em sabores, cores e texturas, somados a uma intervenção adequada e cuidadosa para que a criança desenvolva seu paladar plenamente e tenha uma verdadeira educação alimentar. Vale destacar que no cardápio da Bosque até os 2 anos é zero açúcar e posteriormente é usado o Demerara em quantidade reduzida ou pasta de tâmaras para adoçar bolos, por exemplo. Além disso, a introdução alimentar no Berçário é feita de maneira cuidadosa, respeitando cada fase de desenvolvimento e orientações do pediatra de cada criança. Lembrando que incentivam e orientam a continuidade do aleitamento materno!

Leave a reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *