Desafios de pais e filhos com o início ou volta às aulas

Todo semestre os adultos e as crianças têm de lidar com a nova realidade da adaptação escolar, indiferente da faixa etária. Na Educação Infantil, o início ou retorno à escola é um momento ainda mais delicado que desperta sentimentos de alegria e também de incertezas, seja pelo afastamento dos pais e filhos ou pelas mudanças nesta fase.

O início da vida escolar é um importante passo na vida das crianças e significa novas oportunidades para seu desenvolvimento cognitivo, cultural, social e emocional, a ampliação de repertórios, o autoconhecimento, o início da construção da identidade e autonomia, entre tantas outras competências e habilidades”, afirma Juliana S. Conte, Diretora da Escola Bosque das Letras, que também é Psicóloga e Pedagoga.

Quando chega essa hora, na teoria, alguém até pode dizer que tem um método infalível para esta adaptação acontecer da melhor forma, mas na prática isso não existe porque estamos lidando com crianças, com emoções. Cada criança tem sua singularidade e a família sua dinâmica, com isso não existe fórmula mágica e sim um processo de compreensão dos sentimentos e a construção da relação de confiança com a escola.

Geralmente, a maior adaptação é dos adultos que sofrem com o rompimento do “cordão umbilical” ao perceber que a criança ao entrar no berçário ou escola ela ganha asas para um mundo de descobertas. Nenhum processo adaptativo da vida infantil é prejudicado pelo fato dos pais serem humanos e se sensibilizarem com emoções como o medo, a angústia e a tristeza observados nesse tipo de ritual de passagem. As emoções são grandes estratégias naturais de enfrentamento de vida que a evolução nos deu”’, diz a psicóloga Márcia Tosin, autora do Instagram @criacao_neurocompativel.

A primeira vez

Para crianças que vão para a escola ou berçário pela primeira vez, os desafios são ainda maiores, exigindo paciência, acolhimento, compreensão e confiança nesta nova relação de pais e educadores.

Na Escola Bosque das Letras, um diferencial que minimiza esse sentimento doloroso da separação é o acolhimento que recebem no processo de adaptação que a escola realiza, pois respeitam os bebês, as crianças e as famílias de acordo com suas necessidades.

“No primeiro dia, o bebê por exemplo permanece no berçário apenas uma ou duas horas com a presença do pai ou mãe em tempo integral. Já no segundo dia, os pais podem permanecer ainda dentro do berçário, mas vão se afastando aos poucos. Esse processo dura, em média, uma semana a 15 dias, tudo depende da família, pois como falamos, respeitamos a individualidade de cada criança”, explica Daniela Onisanti, Coordenadora Pedagógica da Escola Bosque das Letras.

A proximidade da família é fundamental nesta fase de (re) inserção escolar.“Acreditamos que com esse processo, a família passa a ter mais confiança na escola, fazendo com que o bebê sinta isso também e passe a sentir-se pertencente deste espaço”, acrescenta Daniela que troca informações e fotos com os pais através do aplicativo ClassApp, além da escola oferecer um espaço exclusivo de trabalho para os adultos aguardarem as crianças, a “Sala Office para os Pais”.

É importante você saber que esse período de transição para adaptação escolar não tem um tempo determinado, pode durar dias, semanas ou meses. Por fim vale destacar que a Escola Bosque das Letras inicia a adaptação dos alunos novos uma semana antes para um melhor acolhimento das crianças e famílias.

Dicas

Para ajudar neste processo da adaptação escolar, compartilhamos as dicas da publicitária Thais Braga, que é mãe de uma menina de três anos e relatou sua experiência no seu blog Mãezona: “Muitos pais precisam de apoio nesta fase de adaptação”, garante.

1- CONVERSE MUITO! 

Diga que na escola também terão muitas coisas divertidas para se fazer e amigos para brincar. Faça isso nos momentos alegres e fale com antecedência, não deixe para tocar no assunto uma semana antes das aulas começarem. Eu sempre mostrava as crianças na rua indo para escola, falava dos acessórios que elas usavam (mochilas, garrafinha de água, uniformes) e que em breve sairíamos pra comprar o dela, dizia que todas faziam isso e os pais as deixavam lá e depois voltavam para buscar.

 2- ENTENDA A ROTINA DE ATIVIDADES DA ESCOLA 

Converse com a professora sobre o dia a dia da escola para entender as atividades e já preparar a criança sobre como será.

 3- FIQUE POR PERTO 

Quando estiver na adaptação fique com a criança pelo menos no primeiro dia (ou o tempo que for necessário de acordo com as indicações dos educadores), explore o ambiente com ela, brinque com os brinquedos, interaja com as outras crianças, converse com as cuidadoras, passe segurança de que aquele é um local que você se sente a vontade. Na primeira semana se planeje para deixar a criança menos tempo na aula. É uma transição, é bacana ser feita aos poucos.

 4- TENTE MANTER A CALMA 

Mesmo se a criança berrar quando você for sair, se ela agarrar na sua perna… (mantenha a calma). Abaixe, olhe nos olhos, repita que isso é normal na vida de toda mamãe e filho, que agora ele/a é um menino grande e precisa ter o tempo dele na escola para aprender (mostre todos os amigos que estão fazendo o mesmo), que você precisa trabalhar (ou fazer o que tiver que fazer), e que você estará ali daqui a pouco para buscá-lo. Depois disso de um abraço carinhoso e peça ajuda para alguma professora para pegá-lo pela mão e saia com confiança. (Eu saia plena, mas ficava do lado de fora esperando por 1h, 1:30h nos primeiros dias ).

 5- VALIDE OS SENTIMENTOS (SEU E DELE)

Toda vez que eu ia buscá-la eu perguntava o que ela tinha feito e o que ela tinha sentido. Ela sempre citava a “saudades” e eu dizia que também tinha sentido muitas saudades e que aquilo era super normal porque estávamos acostumadas a ficar juntas o dia todo. Mas sempre reforçava que aquele sentimento iria ficar mais leve a medida que ela se enturmasse e participasse das atividades. Ressaltava como ela estava aprendendo coisas bacanas e estava ficando mais esperta! Dizia que tinha muito orgulho dela! A primeira vez que eu validei o sentimento dela de saudade e disse que também sentia aquilo, vi um alívio em seus olhos. Vi que ela entendeu que era parte do processo e sentiu confiança nas coisas que eu falava, pq percebeu que eu a entendia. Portanto, sempre que eles citarem algum sentimento triste : OUÇA! Não tente mascarar com outra coisa boa apenas. VALIDE O QUE ELES DIZEM, diga que sim, é normal ficar triste, com saudades, com receio, que todos nós nos sentimos assim quando saímos da zona de conforto e enfrentamos a vida e novas oportunidades, e só depois tente substituir por um ponto positivo.

 6- ENVOLVA TODA FAMÍLIA NA ADAPTAÇÃO

A maioria dos casos as mães ficam encarregadas de deixar e buscar as crianças na escola (pelo menos aqui), então, se tiver muito difícil a adaptação, organize com o pai dele ir deixar a criança. O resultado pode te surpreender. Os pais costumam ser mais práticos e já estão habituados com esse desligamento (já que começam a trabalhar mais cedo) e essa tranquilidade acaba passando para a criança, mesmo sem a gente perceber.

 

Leave a reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *