Brincadeiras e movimentos corporais são formas de aprender, criar e explorar 

Brincar é coisa séria na Escola Bosque das Letras que valoriza a cultura da infância, diferenciando-se pelos cuidados nos quais realizam-se suas atividades pedagógicas para provocar a criatividade e desenvolvimento das crianças.

“Ressaltamos a valorização do brincar, envolvendo projetos socioemocionais através de um olhar individualizado onde a criança é protagonista. Incentivamos os ENCONTROS BRINCANTES (interação entre faixas etárias diferentes, com propostas pedagógicas planejadas previamente) e momentos de LIVRE BRINCAR, em que a criança tem a possibilidade de brincar, sendo o adulto um observador atento, porém que permite a ação criativa, encorajando-a e valorizando as suas próprias descobertas. Também disponibilizamos às crianças opções de brinquedos não estruturados, como caixas, cones, tubos, entre outros materiais que estimulam a potência criativa, imaginação e autonomia das crianças,” afirma Juliana S. Conte, Diretora da Bosque das Letras, formada em Pedagogia e Psicologia.

Aproveitar o tempo com os filhos, às vezes, é um desafio para os pais, principalmente, para mantê-los entretidos quando estão em casa. Por isso, mais do que muita energia para acompanhar as crianças, é necessário fazer os movimentos certos.

Em movimento


Um dos “segredos” para gerenciar a vitalidade das crianças é o movimento corporal. “Sabemos que a criança se expressa e se comunica também por meio do corpo e, por esse motivo, procuramos garantir a exploração corporal através de brincadeiras desafiadoras que propiciam o entrelaçamento entre o corpo, emoção e linguagem,” explica professor de Educação Física da Bosque das Letras José Aparecido Hipólito da Costa, mais conhecido como Cido

Na escola, as aulas de movimento são todas elencados com os aspectos psicomotores e conteúdos da educação física, dessa forma todo processo de desenvolvimento da criança é analisada desde o esquema corporal até a coordenação motora fina.

Na prática, as crianças brincam, criam jogos, fazem atividades rítmicas e praticam esportes que auxiliam no desenvolvimento psicomotor. “As atividades são adaptadas para cada faixa etária (G3, G4 e G5) em que nosso objetivo é fazer com que todos vivenciem as atividades de acordo com as suas capacidades e potencialidades,” acrescenta Cido.

Pais e filhos

Em casa, é possível fazer muitas brincadeiras e coisas legais com os filhos, lembrando que não existem fronteiras para a diversão. Com isso a dica principal é resgatar as brincadeiras de sua infância e reviver as experiências junto às crianças.

Subir em árvores – Se você tem o privilégio de ter quintal em casa ou viver próximo da natureza, uma experiência que marca nossa infância é subir em árvores. As crianças de hoje vivem numa era muito mais conectada aos meios digitais, com isso a simples interação com o ambiente pode virar uma brincadeira divertida. Como a doutora Emmi Pikler – médica húngara que desenvolveu uma abordagem com as crianças de 0 a 3 anos  – que inspira o conceito de trabalho da Bosque das Letras, as crianças devem ter direito a se movimentar livremente, experimentar seu corpo e o espaço. Com isso, a brincadeira de subir em árvores é um exercício natural para desenvolver movimentos, encarar desafios e controlar situações. É um exercício de aprendizagem sobre o corpo e mente onde a criança vai evoluindo – subindo mais alto – quando ganha confiança. A criança chegará até onde ela conseguir com os seus esquemas motores atuais, ampliando-os na medida que descobre o mundo e seu corpo.. e cabe aos pais observar a criança.

Circuito na sala – Nossa própria casa pode se transformar num grande parque de diversão. Tente não se importar com a bagunça – pelo menos durante a brincadeira – e faça da sala, quarto e/ou um ambiente adequado, por exemplo, um grande circuito de obstáculos! Coloque tapetes no chão, colchões, almofadas, lençóis para criar túneis… Envolva as crianças na criação do caminho, faça locais seguros para elas pularem e deixe a diversão rolar solta. Ao final, reconfigure o local usando os itens para montar uma cabana / acampamento. Crie espaços confortáveis e, ao final, aproveite para contar histórias para acalmar as crianças ou simplesmente deixá-los livres para criar as próprias brincadeiras mais tranquilas. 

Cantar e Dançar – ‘Quem canta os males espanta’, diz o ditado popular. E dançar é um dos melhores movimentos que qualquer um pode fazer, já que promove movimentos de agachar, levantar, saltar, movimentar os quadris… assim a criança desenvolve a coordenação motora grossa enquanto dança, além de noções de lateralidade e equilibração. Portanto use o tempo que tiver para cantar as músicas preferidas das crianças. Não lembra as músicas que elas gostam? Tudo bem, acesse nosso artigo Musicalização na Educação Infantil, onde listamos músicas que a criançada adora!

Ócio criativo

Por fim vale ressaltar que deixar as crianças “sem fazer nada” também é importante. “O tédio é o estímulo anterior e crucial para o desenvolvimento da criatividade. O tédio é o plano de ação para mudar uma circunstância, é uma emoção que diz: “invente outra coisa”, diz a psicóloga Marcia Tossin, do Criação NeurocompatívelPor isso, use o tempo livre para que seu filho saiba que ele é capaz de criar, inventar, aprender, desaprender, reinventar e reaprender… A dica é não fazer por ele o que ele pode fazer sozinho. Mas sempre se pergunte porque ele te chama e nunca tenha medo de ajudar quando ele te solicita.

 

MAIS DICAS

Quer mais dicas do que fazer com as crianças? 

 

 

 

Leave a reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *