No primeiro capítulo da minissérie sobre alimentação infantil, a nutricionista da escola Bosque das Letras aborda a questão da seletividade alimentar!

Todos os dias nós precisamos tomar a decisão do que vamos comer, sobretudo, os pais e cuidadores que têm a missão e responsabilidade de escolher o que as crianças vão comer. Na escola, a alimentação deve ser olhada com máximo cuidado já que os hábitos alimentares, principalmente, na primeira infância influenciarão nas escolhas alimentares de toda uma vida. Estudos demonstram que o cérebro humano desenvolve a maioria das ligações entre os neurônios até os 3 anos de idade, o dobro de conexões que na fase adulta, mais um motivo para selecionar os melhores alimentos para nossas crianças.

No entanto, sabemos que criar hábitos alimentares saudáveis exige persistência e criatividade, por isso a nutricionista da Bosque das Letras Camila Freitas dá as seguintes dicas quanto a seletividade alimentar das crianças de 2 ano e meio até os 5 anos de idade:

Leia mais: Como a escola e a família podem fazer a diferença na educação da criança

“É bastante comum as crianças recusarem os alimentos que antes eram muito aceitos quando bebês. O que vai definir se essa seletividade vai ser passageira, transitória ou se ela vai ser mais persistente e difícil de lidar têm muito a ver com a atitude de quem cuida – pais, professoras, babas – diante dessa situação”, explica Camila.

“Algumas atitudes que podemos ter é estabelecer uma boa relação, bastante amorosa mesmo, no ato de comer. Manter esse ambiente para que a criança tenha bastante prazer em comer é essencial para que ela tenha uma boa relação com essa comida”, acrescenta.

Outra forma de superar a questão da seletividade alimentar é oferecer o mesmo alimento recusado diversas vezes com variadas formas de preparo: “Tem um número que é bastante emblemático: apresentar 10 vezes o alimento recusado nas mais diversas preparações faz que a criança tenha oportunidade de sentir a textura, o cheiro e reconhecer esse alimento”, ensina a nutricionista.

Por fim, vale lembrar que as crianças aprendem muito por repetição e imitação, ou seja, as crianças copiam as atitudes e hábitos dos adultos, por isso como pais e educadores temos a missão de dar o melhor exemplo possível, principalmente na hora de comer, desta forma as crianças terão mais facilidade de experimentar e desenvolver uma rotina mais saudável.

Leave a reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *